Posts

Evento sobre E2G e biorrefinarias muda formato para aproximar ciência e indústria

Workshop on Second Generation Bioethanol and Biorefining 2017, organizado pelo CTBE/CNPEM, abre inscrições para sua 7ª edição
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

O Workshop on Second Generation Bioethanol and Biorefining é um dos mais importantes eventos no calendário do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), um dos quatro Laboratórios que integram o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). O evento chega este ano à sétima edição com significativas mudanças. As inscrições estão abertas de 15 de agosto a 10 de setembro e podem ser feitas por este link.

Marcado para acontecer nos dias 29 e 30 de novembro, em Campinas (SP), no Auditório do CTBE, o Workshop é aguardado como ponto de encontro de academia, centros de pesquisa e empresas do Brasil e do exterior. O evento é uma oportunidade para discutir os últimos avanços em etanol 2G e biorrefinarias e construir uma rede entre os principais players globais.

Formato revisado

A sétima edição traz um novo formato, com maior número de palestrantes, maior abrangência temática e ênfase na aproximação entre ciência e indústria, fomentando o diálogo para avanço da inovação e da Bioeconomia.

“O evento vem evoluindo a cada edição, respondendo à dinâmica do cenário de etanol 2G e biorrefinarias. Nesta edição a mudança foi mais significativa” explica Carlos Driemeier, pesquisador do CTBE e um dos organizadores do evento. “A indústria já está produzindo etanol 2G. É um novo nível de maturidade, que requer novas pontes entre ciência e indústria”, analisa.

Os palestrantes são criteriosamente convidados e nesta edição o evento conta com representantes de países como Finlândia, Holanda e Estados Unidos, além do Brasil. “Em todas as edições o cuidado na seleção sempre é o mesmo. Buscamos reunir importantes players envolvidos na temática do evento”, explica a pesquisadora Juliana Velasco, que integra a comissão organizadora do Workshop.

Sessões temáticas e palestrantes

As sessões do dia 29 de novembro – biomassa, pré-tratamento, hidrólise e fermentação alcoólica – cobrem as etapas de produção de etanol 2G.

No dia 30 de novembro, no período da manhã, as sessões abordarão novos produtos obtidos de biomassa, em especial materiais e químicos. Na tarde do dia 30 de novembro, a sessão de biorrefinarias 2G discutirá as experiências das novas biorrefinarias e a Mesa Redonda reunirá lideranças para discutir como acelerar a bioeconomia.

O evento conta com palestrantes confirmados de empresas chaves do setor: CTC, GranBio, Valmet, Novozymes, Lallemand, Petrobras, Amyris, Solvay, Braskem, Clariant, DSM e Raizen. Nas palestras científicas, podemos destacar palestrantes internacionais como Douglas Karlen (USDA, Estados Unidos), Xiaowen Chen (NREL, Estados Unidos), Orlando Rojas (Universidade de Aalto, Finlândia) e Luuk van der Wielen (Universidade de Limerick, Irlanda e TU Delft, Holanda). A programação completa pode ser acessada aqui.

Estudantes e apresentação de pôsteres

Estudantes podem apresentar o resultado de suas pesquisas na forma de pôster. O envio dos Abstracts e das demais informações deve ser feito durante o momento da inscrição. Tal qual nas edições anteriores, estudantes são isentos da taxa de inscrição. Confira as informações gerais do evento neste link.

“É uma ótima oportunidade para que novos talentos se apresentem para um público extremamente qualificado”, analisa Juliana Velasco. “Nós incentivamos alunos de pós-graduação a enviarem seus resumos e se inscreverem no Workshop”, acrescenta Driemeier.

Uma história de sucesso

Ao longo das suas seis edições passadas – a primeira aconteceu em 2010 – o Workshop soma mais de 600 participantes, compostos de jovens promissores e de lideranças consolidadas, do Brasil e do exterior. Segundo o Comitê Organizador, esta edição promete ficar marcada na história do Workshop. “Esperamos um excelente público”, adianta Juliana Velasco.

Workshop sobre Bioeletricidade discute Marco Regulatório do setor elétrico

Evento acontece dia 20 de julho no Auditório do CTBE, em Campinas (SP); inscrições são gratuitas e limitadas
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Acontece no Auditório do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), dia 20 de julho a partir das 8h30, o workshop Bioeletricidade a partir da palha de cana-de-açúcar: reflexões sobre o Marco Regulatório. O portal NovaCana é o parceiro de conteúdo oficial dos Workshops do CTBE.

O evento é gratuito e destinado ao público interessado em compreender o atual cenário da bioenergia e esclarecer os principais pontos do Marco Regulatório do setor elétrico. As inscrições podem ser feitas neste link.

ACESSE A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO EVENTO

O evento irá reunir usinas do setor sucroenergético, agências de fomento, empresas, órgãos públicos e privados e formadores de políticas públicas. “Reunindo esses players conseguimos estabelecer uma sinergia entre os diversos atores para gerarmos benefícios ao sistema elétrico e ao setor sucroenergético do nosso país”, destaca Thayse Hernandes, coordenadora associada da Divisão Agrícola do CTBE e Assistente de Gestão no Projeto SUCRE.

SUCRE está à frente do Workshop

Com a mudança progressiva no setor canavieiro de um sistema de colheita pela queima para um sistema não queimado e mecanizado, a maior parte da palha resultante desse processo e mantida na superfície do solo tornou-se uma matéria-prima economicamente viável para a produção de bioenergia. Entretanto, essa biomassa também trouxe gargalos nos processos de geração e comercialização de energia nos mercados regulado e livre.

INSCREVA-SE GRATUITAMENTE

Projeto SUCRE (Sugarcane Renewable Electricity), uma iniciativa do CTBE, um dos quatro Laboratórios Nacionais do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), desenvolve, junto de usinas parceiras, soluções inovadoras para a geração de energia a partir da palha de cana-de-açúcar como complemento ao bagaço. O SUCRE é uma iniciativa financiada pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) e gerido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Temas e palestrantes confirmados

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) Gonçalo Pereira
O papel do Projeto SUCRE Manoel Regis Lima Verde Leal
A geração de eletricidade pelo setor sucroenergético (UNICA) Zilmar José de Souza
Produção de Energia Elétrica Nacional (EPE) Rachel Martins Henriques
O ambiente de comercialização do setor elétrico e a bioeletricidade (CCEE) Roberto Castro
Modelos de  distribuição do setor elétrico para a bioeletricidade (ABRADEE) Nelson Fonseca Leite
Visão do grupo Zilor sobre a Bioeletricidade Valerio A. Zaghi Kovalski
Visão do grupo Raízen sobre a Bioeletricidade Marcelo Couto
Sistema de Limpeza a Seco (CTC) Francisco Linero
Marco Legal e Regulatório – Resultados (Excelência Energética) Selma Akemi Kawana

1º Workshop Estratégico CTBE revela importância da ponte entre ciência e setor produtivo

Evento que aconteceu dia 30 de março reuniu as principais usinas do Nordeste; Empresas de base, de tecnologia além de BNDES, EPE, MCTIC e MAPA também participaram
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Erik Nardini

Representantes de órgãos públicos, empresários e produtores. O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) conseguiu reunir na última quinta-feira, 30, os principais nomes do Setor Sucroenergético para discutir os desafios e oportunidades para a cultura de cana, produção de açúcar e etanol no Nordeste.

Gonçalo Pereira dá boas-vindas aos convidados do Workshop na quinta-feira, 30 (Divulgação/CTBE)

O Workshop Estratégico é um evento organizado pelo CTBE que tem como objetivo fazer a ponte entre o setor produtivo e o ambiente acadêmico e de pesquisa, promovendo o networking e facilitando a troca de experiências e soluções. A primeira edição aconteceu ontem (30) e terminou hoje (31) com uma visita ao próprio CTBE e ao Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS).

Nordeste bem representado: palestrantes visitam CTBE e conhecem o LNLS (Erik Nardini/CTBE)

“A ideia do Workshop Estratégico já estava sendo cogitada desde o final do ano passado”, conta Gonçalo Pereira, diretor do CTBE. “A visita que nosso time de pesquisadores fez às usinas no Nordeste [em fevereiro] era tudo o que precisávamos para definir o tema de abertura. Foi realmente incrível ver todo o setor unido”, revela.

LEIA REPORTAGEM COMPLETA SOBRE A VISITA AO NORDESTE

Ao todo foram doze palestras no período da manhã divididas em três grandes áreas: agricultura, mecanização e indústria. As apresentações da manhã foram dedicadas exclusivamente aos convidados da região Nordeste, dentre eles representantes das Usinas Trapiche, Japungu, Caeté, São José e Petribu; professores da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e Universidade Federal de Alagoas (UFAL); o diretor da Agrocana Comércio e Representações; e o diretor do Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (CETENE), Unidade de Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC).

Durante as palestras foram abordados e discutidos os mais diversos temas, dentre eles: desenvolvimento de variedades de cana, adubação e diagnósticos de macro e micronutrientes, irrigação, infestação da broca gigante, formação de flocos alcoólicos,  concentração de vinhaça e fermentação com alto teor alcoólico.

CONFIRA A RELAÇÃO COMPLETA DE PARTICIPANTES

À tarde, GranBio, Raízen e Banco do Nordeste fizeram, respectivamente, apresentações sobre cana-energia, biomassa e energia e sobre linhas de financiamento exclusivas para empresários com operações no Nordeste. José Coelho, diretor da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), também vinculada ao MCTIC, apresentou detalhes sobre os trabalhos da EPE e destacou a importância da biomassa de cana-de-açúcar para uma cogeração limpa e eficiente.

Representando o CTBE, o engenheiro Jorge Mangolini Neves, especialista em Mecanização Agrícola da Divisão Agrícola apresentou possíveis soluções para problemas identificados durante a visita às usinas no Nordeste. “A Usina Trapiche, por exemplo, tem 80% de sua área em encosta com declividade superior a 15%, então precisam de soluções no plantio e na colheita mecanizada para lidar com terrenos extremamente inclinados”, conta Neves. “Identificamos isso na visita e apresentamos hoje, durante o Workshop, as possíveis soluções para problemas que detectamos”, destaca.

Máquinas atuais são incapazes de enfrentar áreas tão declivosas: CTBE apresenta possíveis soluções (Divulgação/Cesar Trapiche)

Também do CTBE, o especialista Ed Carlos Rocha apresentou simulações realizadas pelo Núcleo de Mecanização por meio do software ROCKY, ferramenta que permite fazer análises criteriosas e precisas de maquinários e partículas, com a vantagem e a velocidade da modelagem em três dimensões.

VEJA A AGENDA COMPLETA COM TEMAS DO WORKSHOP

Documento com principais tópicos será disponibilizado

O Sumário Executivo, documento que reúne os dez principais tópicos abordados no Workshop, está sendo preparado pelo Comitê Organizador. Ele será disponibilizado no site do evento ao longo dos próximos dias e servirá como base para o plano de ação. “A ideia é que esse documento seja referência para a tomada de decisão”, explica Carolina Grassi, pesquisadora do CTBE e uma das organizadoras do evento.

O Workshop Estratégico CTBE nasce com a nobre missão de organizar periodicamente seminários sobre os assuntos mais urgentes não apenas do Setor Sucroenergético, mas de outras áreas em que o CTBE consegue atuar com sua expertise em Bioeconomia.

“Prova disso é que para maio já estamos preparando um Workshop sobre Macaúba, fruto com notável potencial para a extração de óleo de altíssima qualidade”, adianta Pereira, diretor do CTBE. “No final de julho teremos uma edição sobre o Setor Sucroenergético brasileiro”, conta. “Não vamos mais parar. É definitivo”, comemora.

Equipe do CTBE, convidados e palestrantes da 1ª edição do Workshop: união do setor (Daniel Duft/CTBE)

Sobre o CTBE

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O CTBE desenvolve pesquisa e inovação de nível internacional na área de biomassa voltada à produção de energia, biocombustíveis e bioprodutos. O Laboratório possui um ambiente singular no País para o escalonamento de tecnologias, visando a transferência de processos da bancada científica para o setor produtivo, no qual se destaca a Planta Piloto para Desenvolvimento de Processos.

Comitê Organizador

O evento Workshop Estratégico CTBE é preparado e estruturado pelo Comitê Organizador formado pelos seguintes integrantes:

Carolina Grassi
Erik Medina
Vera Gouveia
Raquel Scatolin
Dora Marques
Tatiane Morais
Pâmela Machado

Workshop on Second Generation Bioethanol 2016

Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

testeira 2g bioethanol workshop

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) promove nos dias 30 de novembro e 1 de dezembro o “Workshop on Second Generation Bioethanol 2016” . O evento tem como objetivo discutir temas relacionados à produção de etanol 2G e outros produtos a partir de biomassa vegetal. Neste ano, os seguintes tópicos serão abordados:

I) Sistemas enzimáticos para degradação de material lignocelulósico;
II) Sistemas microbianos para produção de enzimas, biocombustíveis e blocos químicos;
III) Biomassa e biorrefinarias;
IV) Biocombustível e indústria.

Os interessados em participar do Workshop podem se inscrever até  16 de outubro de 2016. Devido ao número limitado de vagas, será feita uma etapa de seleção dos inscritos com posterior confirmação da efetivação da inscrição.

Inscreva-se aqui: http://pages.cnpem.br/2gbioethanol/registration-2/

Workshop sobre a Tecnologia de Produção de Etanol

CTBE vai apresentar avanços obtidos em pesquisas e debater pontos de melhoria de eficiência e redução de custos na produção do E1G/2G.
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Data: 17 e 18 de novembro de 2015.
Local: Auditório do CTBE/CNPEM – Campinas, São Paulo.
Inscrições: pages.cnpem.br/tecnologia-etanol/

O Brasil tem atualmente uma capacidade instalada de produção de E2G de cerca de 140 milhões de litros por ano. Entretanto, tal volume é considerado pequeno quando comparado à demanda interna de combustíveis, suprida atualmente com volumes relevantes de gasolina importada. Além disso, as indústrias de E2G em operação no País enfrentam problemas técnicos significativos para colocar as fábricas em máxima produção.

O “1º Workshop sobre o Estado da Arte da Tecnologia de Produção de Etanol: de olho na segunda geração” vai apresentar avanços tecnológicos obtidos nas pesquisas desenvolvidas no Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) aos setores industriais e de P&D na área, visando a implementação e o aprimoramento de plantas industriais de E2G novas ou existentes. Debates com empresas e especialistas do setor vão enumerar pontos de melhoria de eficiência e redução de custos na produção do E2G, a fim de elucidar potenciais novas linhas de pesquisa do CTBE para suprir as demandas apontadas. Espera-se que tais medidas ajudem a alterar o atual paradigma tecno-econômico da indústria de cana-de-açúcar, resgatando sua competitividade.

Inscrições podem ser realizadas no site até o dia 13 de novembro de 2015. O custo da taxa de inscrição é de R$ 170,00.

Mais informações: pages.cnpem.br/tecnologia-etanol/

Workshop CTBE Metabolômica

Workshop sobre Metabolômica (Capacitação de Usuários)

Atividades teóricas e práticas serão oferecidas, além de discussões sobre questões-chave ligadas à metabolômica, a partir da interpretação de dados.
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Workshop CTBE Metabolômica

Data: 25, 26 e 27 de novembro de 2015.
Local: Auditório do CTBE/CNPEM – Campinas, São Paulo.
Inscrições: Gratuitas, de 20 de outubro à 18 de novembro de 2015 (nesta página).

A Metabolômica surgiu como uma abordagem analítica para a quantificação e identificação de diferentes classes de moléculas de baixo peso molecular (MW < 1500Da), presentes em um sistema biológico. Ela permite uma visão global das funções celulares, uma vez que reflete diretamente o estado fisiológico de uma célula. Sua ampla gama de aplicações cobre múltiplas áreas de pesquisa, como avaliação de organismos geneticamente modificados, genômica funcional, resposta ao ambiente, engenharia metabólica / biologia sintética e genética quantitativa.

O Workshop sobre Metabolômica, promovido pelo CTBE entre os dias 25 e 27 de novembro, fornecerá uma visão ampla de questões-chave em análises de metabolômica, que vão desde o desenho experimental até a interpretação de dados. Neste contexto, serão oferecidas aulas teóricas e práticas, além de discussões em temas cruciais no uso desta tecnologia. O curso é voltado a pesquisadores, pós-doutorandos e estudantes de doutorado que tenham utilizado ou planejam utilizar o Lab Met.

Exceto para as palestras de introdução (dia 25/11, 9-13h), as demais atividades do workshop terão o limite de 25 participantes que serão selecionados após o fechamento da inscrição. Para as atividades práticas é aconselhável que o participante tenha noções de R.

Programação do Workshop

Dia 1 - 25 de novembro

Horário Tema da palestra Palestrante
09h00 – 09h30                . Boas-vindas aos participantes Camila Caldana
09h30 – 11h00 Introdução à Metabolômica e à instalação LabMet, do CTBE Camila Caldana
11h00 – 11h30 Coffee break
11h30 – 13h00 Fluxos de trabalho da Metabolômica, desenho experimental Camila Caldana
13h00 – 14h30 Almoço
14h30 – 15h30 Atividade em grupo Camila Caldana / Marina Martins
 15h30 – 15h45 Coffee break
15h45 – 16h45 Métodos analíticos Juliana Aricetti
16h45 – 17h00 Discussões

Dia 2 - 26 de novembro

Horário Tema da palestra Palestrante
09h00 – 10h00                            . Processamento de dados Camila Caldana
10h00 – 10h30 Coffee break
10h30 – 12h00 Atividade prática: análises de dados de CG-MS pelo programa “Target Search” Camila Caldana
12h00 – 14h00 Almoço
14h00 – 14h30 Discussões sobre os resultados do programa “Target Search” Camila Caldana
14h30 – 15h30 Normalização de dados Camila Caldana/ Adriana C. Gianotto
15h30 – 15h45 Coffee break
15h45 – 17h00 Atividade em grupo e discussões Camila Caldana/ Adriana C. Gianotto

Dia 3 - 27 de novembro

Horário Tema da palestra Palestrante
09h00 – 10h00               . Análise estatística I: heatmap e análise multivariada Adriana C. Gianotto
10h00 – 10h30 Coffee break
10h30 – 12h00 Atividade prática: análise multivariada Adriana C. Gianotto
12h00 – 14h00 Almoço
14h00 – 15h00 Interpretação e visualização de dados Camila Caldana
15h00 – 15h15 Coffee break
15h15 – 16h15 Atividade prática: visualização de dados Camila Caldana
16h15 – 17h00 Discussões em grupo e encerramento Camila Caldana/ Adriana C. Gianotto

Formulário de Inscrição

O prazo para inscrição neste evento se encerrou no dia 29 de julho de 2016. Agradecemos o seu interesse.

Testeira evento sequenciamento genético

Workshop sobre Sequenciamento de Nova Geração

O I Workshop on Application of Next Generation Sequencing vai apresentar a instalação de Sequenciamento de Nova Geração do CTBE e destacar os impactos destas tecnologias em diversas áreas das Ciências Biológicas.
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Testeira evento sequenciamento genético

Data: 02 e 03 de dezembro de 2015.
Local: Auditório do CTBE/CNPEM – Campinas, São Paulo.
Website: pages.cnpem.br/nextgensequencing/

O campo de sequenciamento de DNA evoluiu drasticamente nas últimas duas décadas, devido principalmente ao desenvolvimento das tecnologias de larga escala (high-throughput). Tais inovações permitiram atingir feitos como o sequenciamento do genoma de uma pessoa por menos de US$ 1000.

Em 2014, o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) implantou sua Instalação de Alto Desempenho em Sequenciamento e Robótica. No ano seguinte, 2015, ela foi aberta a usuários da academia e da indústria. Esta facility possui toda a infraestrutura necessária para a criação de bibliotecas de sequenciamento de DNA e RNA, acompanhada de equipamentos sequenciadores de alta qualidade (HiSeq2500 or MiSeq).

O I Workshop on Application of Next Generation Sequencing será promovido pelo CTBE com o objetivo de apresentar a instalação a colaboradores e interessados, bem como informar  o impacto dessas tecnologias nas diversas áreas das ciências biológicas. Também será fornecida uma base teórica da química de sequenciamento empregada pela empresa Illumina, métodos de construção de bibliotecas genéticas etc.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pelo website do evento até o dia 30 de outubro de 2015: pages.cnpem.br/nextgensequencing/.

Mini-curso sobre bioinformática para análise de dados relacionados a sequenciamento genético

O segundo dia do evento (3 de dezembro de 2015) será destinado a um mini-curso prático sobre bioinformática para análise de dados relacionados a sequenciamento genético. Este treinamento será restrito a 20 participantes, previamente selecionados dentre os inscritos. Para mais informações, acesse o website do evento.

 

Workshop 2G Bioethanol

Enzimas para degradar diferentes tipos de biomassa

Avanços científicos na área de etanol de segunda geração são apresentados em Workshop do CTBE.
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Workshop 2G Bioethanol

O Workshop on Second Generation Bioethanol 2014, promovido pelo Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) nos dias 10 e 11 de novembro, chegou a sua quinta edição neste ano e contou com diversos palestrantes de renome internacional. Os trabalhos apresentados nessa edição comemorativa apontam para um amadurecimento da comunidade de pesquisa ligada à conversão de biomassa em combustíveis e outros produtos.

Tal evolução científica ocorre em áreas como a produção de enzimas para a degradação do bagaço de cana-de-açúcar e outras matérias-primas. Há alguns anos, boa parcela dos estudos científicos nessa temática se restringiam à identificação e testes com enzimas capazes de converter apenas a celulose da biomassa em açúcares que pudessem ser posteriormente transformados em etanol. Haviam poucos trabalhos sobre outros tipos de enzimas e o nível de sucesso das iniciativas era medido, basicamente, pelo rendimento de açúcar no processo de hidrólise.

Já as pesquisas apresentadas no evento do CTBE desse ano mostram um cenário mais complexo e abrangente. Os cientistas estão interessados em facilitar o acesso à celulose por meio da introdução de enzimas auxiliares nos coquetéis para melhorar a eficiência do processo. Também há um maior interesse em recuperar compostos presentes em outras frações da biomassa, como hemicelulose e lignina, para a produção de blocos químicos de alto valor agregado. Por fim, novas técnicas de prospecção, isolamento e cultivo de microrganismos em laboratório estão em processo de desenvolvimento.

publico-workshop-2g-bioethanol

Público lotou o Auditório do CTBE/CNPEM durante workshop realizado nos dias 10 e 11 de novembro de 2014.

Um dos maiores desafios de quem trabalha na área de conversão de biomassa em etanol e outros bioprodutos é a complexidade da temática. “Ao longo da pesquisa, muitas vezes é preciso lidar, paralelamente, com a  genética e o metabolismo de plantas, com a físico-química do pré-tratamento, com a microbiologia da produção de enzimas hidrolíticas, com a fermentação e com a engenharia ligada aos processos industriais de conversão”, comenta o pesquisador do CTBE e um dos organizadores do Workshop, Carlos Eduardo Driemeier.

Soma-se a essa complexidade, o fato de que o etanol é apenas um dos produtos possíveis de serem extraídos da biomassa vegetal. “De modo semelhante ao que ocorre hoje no mercado do petróleo, percebo que o futuro da indústria da biomassa está nos inúmeros produtos obtidos a partir dela, com valor agregado muito superior ao dos combustíveis”, afirma Sunkyu Park, da North Carolina State University.

O celulossoma a os avanços na pesquisa sobre enzimas

Este ano, o Workshop do CTBE contou com a apresentação de Edward Bayer, do The Weizmann Institute of Science, de Israel. Bayer é um dos criadores do conceito de celulossoma. Estes grandes complexos enzimáticos extracelulares são produzidos por bactérias anaeróbias e são capazes de quebrar polissacarídeos da parede celular vegetal, como celulose, hemicelulose e pectina, em açúcares. O celulossoma possui vários tipos de enzimas organizadas em torno de uma proteína de atividade não-catalítica, que permite a aderência do complexo à celulose. Bayer apresentou no evento o trabalho da sua equipe para compreender a organização e o funcionamento do celulossoma, assim como as tentativas de alteração desse sistema para melhorar a degradação da celulose.

Outro avanço apresentado ocorre nos estudos sobre enzimas acessórias para a degradação da biomassa. “No início da pesquisa, há alguns anos, produzíamos coquetéis com enzimas que agiam principalmente sobre a celulose. Hoje sabemos que outros componentes presentes na biomassa, como hemicelulose e lignina, tornam preponderante a adição de enzimas acessórias para facilitar o acesso à celulose, permitindo uma conversão eficaz com cargas enzimáticas menores”, explica Valdeir Arantes, pesquisador brasileiro que passou os últimos seis anos na Universidade de British Columbia, no Canadá. Arantes mostrou em sua apresentação que é possível produzir etanol celulósico com eficiência a partir de distintas biomassas, desde que o mesmo coquetel enzimático base (que atua sobre a celulose) seja complementado por enzimas acessórias específicas para cada matéria-prima.

Ao final do evento, os coordenadores e palestrantes fizeram um breve debate sobre as próximas ações necessárias para o avanço da ciência básica ligada à produção de etanol de segunda geração. Além dos pontos já destacados, comentou-se sobre a importância dos esforços para se diminuir a ação de inibidores durante os processos de hidrólise e fermentação de açúcares da biomassa. Além disso, Peter J. Punt, da Leiden University, reforça que está na hora de revisar os livros didáticos sobre os temas utilizados pelos cursos de graduação. “Tudo o que vemos neles foi escrito há mais de 10 anos. Precisamos mostrar aos nossos alunos os desenvolvimentos mais recentes do setor”, alerta Punt.

III Workshop on Sugarcane Physiology for Agronomic

Fisiologia e metabolismo de cana-de-açúcar, assim como melhorarias nesse sistema agrícola são alguns dos tópicos que serão debatidos na edição desse ano do evento.
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

O CTBE sedia o III Workshop on Sugarcane Physiology for Agronomic Applications para discutir estratégias de resolução de problemas ligados à produção de cana-de-açúcar, como fatores fisiológicos, bioquímicos e genéticos que controlam o crescimento e o desenvolvimento da planta. Este ano, o workshop será realizado nos dias 2 e 3 de dezembro e contará com pesquisadores de renome internacional que apresentarão trabalhos relacionados às seguintes seções:

  • A cana-de-açúcar no campo e interações planta-ambiente;
  • Recursos para a genômica da cana;
  • Metabolismo, crescimento e desenvolvimento da cana.

Profissionais do Brasil, Austrália, Canadá e Estados Unidos virão ao workshop que já se tornou uma tradição no CTBE e na comunidade científica interessada ​​em investigações de melhorarias no sistema agrícola de cana-de-açúcar, fisiologia e metabolismo de plantas dessa espécie.

As inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 13 de novembro. Para se inscrever e conhecer a programação acesse: http://pages.cnpem.br/sugarcanephysiology.