Posts

CTBE integra comitê organizador de um dos principais eventos mundiais de biotecnologia

Diretor científico do CTBE/CNPEM, Mario Murakami é único cientista da América Latina a integrar organização do SBFC

Erik Nardini Medina

O congresso Symposium on Biotechnology for Fuels and Chemicals (SBFC), um dos principais fóruns de discussão sobre combustíveis avançados, aconteceu nos Estados Unidos entre os dias 29 de abril e 2 de maio de 2018, em Clearwater Beach (Flórida). O evento reuniu cerca de 300 participantes entre pesquisadores, doutorandos e tomadores de decisão da indústria de combustíveis de diversos países.

O Laboratório Nacional de Ciência Tecnologia do Bioetanol (CTBE), que integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), teve participação relevante nesta edição: o diretor científico e pesquisador Mario Murakami foi convidado a unir-se ao comitê organizador do SBFC.

“O CTBE/CNPEM é o único centro de pesquisa da América Latina a ter um representante na comissão organizadora”, conta Murakami, que começou a participar do SBFC em 2013, sempre com apresentações orais de trabalhos. O diretor científico do CTBE permanece como membro do comitê organizador pelos próximos três anos.

O fórum abordou o futuro dos combustíveis avançados do tipo low carbon (combustíveis com baixa emissão de gases de efeito estufa), como o Etanol 2G. Foram levantadas questões gerais, desafios e gargalos tecnológicos existentes, compreendendo desde a escala laboratorial, passando pela engenharia e chegando à microbiologia e aos processos fermentativos.

Além de Murakami, que também apresentou trabalho no congresso outros colaboradores do CTBE/CNPEM foram a Clearwater Beach com contribuições fundamentais para a indústria de combustíveis avançados: Bruno Klein (palestra sobre bioeconomia); Letícia Murakami (apresentação de pôster) e a então pesquisadora do CTBE, Sarita Rabelo (apresentação de pôster).

“Fomos procurados para discutir parcerias importantes durante o congresso”, explica Murakami. “Representantes da Universidade da Califórnia (campus Davis), da Universidade de Houston (Texas), do NREL (Laboratório Nacional de Energia Renovável dos EUA), da Universidade de Toronto (Canadá) e o pesquisador Dr. Peter Biely (Academia de Ciências da Eslováquia), um dos grandes nomes da pesquisa com biomassa, se interessaram pelos nossos trabalhos e no estabelecimento de novas cooperações científicas”, conta. “Isso é sinal de que estamos no caminho certo e dedicados à solução de problemas científicos de alta complexidade”, conclui o diretor científico do CTBE.

Vagas: biologia molecular, enzimologia e modelagem/simulações de processos

Há oportunidades para bolsas CAPES para mestres e doutores no CTBE; interessados devem enviar currículo até 16/3

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), que integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), possui três vagas de bolsas CAPES para mestres ou doutores. Os interessados deverão encaminhar por e-mail: currículo e informações de contato até o dia 16 de março de 2018, para o endereço ctbecomunica@cnpem.br. O título do e-mail deve, obrigatoriamente, ser Oportunidade Biologia/Enzimologia/Modelagem. As bolsas começam a vigorar em junho/2018.

Requisitos/Perfil Desejado

Enzimologia (1 vaga):

  • Possuir PhD ou MsC;
  • Experiência em biologia molecular;
  • Desejável experiência em biologia estrutural e/ou enzimologia.

Biologia molecular (1 vaga):

  • Possuir PhD ou MsC;
  • Experiência com biologia molecular;
  • Experiência em processos fermentativos;
  • Desejável experiência com genética de leveduras.

Modelagem e Simulação de processos (1 vaga):

  • Possuir PhD ou MsC;
  • Formação em engenharia química;
  • Experiência com fermentação.

Valorização de biomassa é tema de evento no CTBE

Workshop Valorization of Renewable Resources – Recent Advances and Prospects é realizado em parceria com Fraunhofer e TUM

O Workshop Valorization of Renewable Resources – Recent Advances and Prospects: A Brazilian-German Technology Alliance, que acontece dia 9 de março, a partir das 8h30, no Auditório do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) – integrante do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) – promoverá interações entre membros da academia, centros de pesquisa e indústrias da Alemanha e do Brasil. O objetivo é promover idéias que possam levar a futuros projetos colaborativos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D).

Acesse o site do evento e consulte a programação completa.

O evento é dividido em três sessões que abrangem diferentes plataformas tecnológicas com vias à valorização da biomassa. Cada sessão discutirá técnicas de transformação de biomassa considerando:

– Processos biocatalíticos;
– Quimioterapia e química verde;
– Eletrocatálise: energia como recurso renovável;

A primeira sessão abordará estratégias inovadoras para a aplicação de biocatalisadores, incluindo processos catalíticos combinados, reações em cascata de enzimas, novas enzimas e processos enzimáticos tolerantes.

A segunda sessão apresentará idéias e novos conceitos de eletroquímica e quimioterapia, em particular, o desenvolvimento de materiais catalíticos e rotas químicas para processamento de biomassa e produção de produtos químicos. O uso da energia como recurso renovável para a síntese de moléculas de valor agregado também será explorado.

A terceira e última sessão será dedicada a oportunidades de financiamento (envolvendo as Agências de Financiamento Alemãs DAAD e DFG), bem como a FAPESP e a EMBRAPII.

1º dia do Workshop 2G, no CTBE, teve quatro sessões e 15 palestras

Apresentação de pôsteres também receberam destaque na programação do evento, com 30 participantes aceitos

Erik Nardini Medina (texto em andamento)

O CTBE, um dos quatro Laboratórios Nacionais do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), deu início nesta quarta, 29, ao Workshop on Second Generation Bioethanol and Biorefining 2017. Com auditório e salas de transmissão lotadas, o primeiro dia do evento teve palestras divididas entre as sessões de Biomassa, Pré-tratamento, Hidrólise e Fermentação Alcoólica.

A organização do Workshop ainda brindou o público com a boa notícia, divulgada na noite de terça (28), de que o programa RenovaBio havia sido aprovado, aumentando ainda mais o fôlego de um público entusiasmado com a Segunda Geração. A notícia foi apresentada pela pesquisadora Carolina Grassi, coordenadora associada das Divisões Agrícola e Industrial, e à frente do programa Cana-Energia, do CTBE. A fala de abertura foi conduzida pelo Dr. Kleber Franchini, diretor do LNBio/CNPEM.

A presença de empresas no primeiro dia foi massiva, como era esperado para a sétima edição do evento,  indicando que o Workshop marcou uma virada definitiva no cenário da próxima geração de biocombustíveis e químicos de renováveis.

“A seleção de convidados seguiu o mesmo rigor da seleção de speakers“, confirmou Carlos Driemeier, pesquisador do CTBE e chair do Workshop 2G. O Workshop 2G destaca-se pelo notável equilíbrio entre participantes business-oriented e acadêmicos de ponta, com palestras de alto nível e nomes renomados. “De 2016 para agora, o número de palestrantes praticamente dobrou e aumentou, igualmente, o volume de estrangeiros”, destacou Juliana Velasco, co-chair do 2G e pesquisadora do CTBE.


Workshop teve início às 9h da manhã, no Auditório do CTBE/CNPEM

Na sessão de Biomassa, que deu início ao evento, as experiências de Brasil e Estados Unidos com o uso da palha para produção de biocombustíveis e bioenergia dominaram o assunto. Douglas Karlen (USDA) compartilhou com o público experiências obtidas nos últimos dez anos, enquanto João Nunes Carvalho (CTBE) apresentou dados sobre remoção de palha do campo e seus impactos na qualidade do solo e na longevidade do canavial, obtidos no âmbito do Projeto SUCRE.

Suleiman Hassuani (CTC) e José Bressiani (Granbio) demonstraram de que forma estão aplicando a biomassa em suas plantas 2G, cada qual com métodos inovadores e pioneiros para a obtenção da próxima geração de biofuels.

A sessão Pré-tratamento foi aberta com Xiaowen Chen, químico que representou o NREL durante o segundo bloco do evento. Chen revelou que as dificuldades enfrentadas por indústrias ao redor do mundo são de certa forma semelhantes às vistas no Brasil.

Um claro exemplo está na vida útil de materiais empregados em operações de processamento de biomassa, que “corroem” os tais materiais. Acontece que a maioria deles ainda vem dos processos de primeira geração, algo que a indústria está empenhada em mudar agora. Problema parecido também foi abordado por Carlos Driemeier (CTBE) em referência às brocas utilizadas no processamento de cana-energia.

Luiz Pereira Ramos (UFPR) apresentou a influência de CSF no pré-tratamento de bagaço de cana-de-açúcar. “Vemos que as enzimas reduziram a viscosidade rapidamente, algo em torno de 3 horas, o que indica que realizar a hidrólise em dois estágios pode ser uma boa ideia”, exemplificou.

Perguntas e respostas: ao final de cada sessão, 10 minutos de interação com os palestrantes; app criado para interação durante Workshop foi bem recebido

Carlos Driemeier (CTBE), especialista em arquitetura de biomassa, foi do micro ao nano em materiais lignocelulósicos para tentar desconstruir as partículas e encontrar novos dados sobre biomassas em escalas invisíveis. A fotografia (ou tomografia) desses materiais foi realizada no acelerador Sinctrotron, localizado no LNLS/CNPEM, que revelou frações nanométricas de minerais dentro dessas mesmas frações, revelando propriedades pouco conhecidas que podem contribuir para um conhecimento mais aprofundado da matéria.

Escapando do cientifiquês, a fala de Driemeier levantou questões importantes: de que forma resíduos minerais (como terra) são capazes de penetrar na biomassa? Qual o impacto desses resíduos no processamento da biomassa na usina? “Tente manter a estrutura o mais limpo possível, tente ficar longe das impurezas”, recomenda. As pesquisas continuam.

Novidades também foram apresentadas por empresas líderes em P&D, caso de Novozymes e Lallemand, que destacaram seus progressos no competitivo mercado de enzimas e leveduras; a VTT Finland também revelou detalhes sobre seus processos voltados à segunda geração; Boris Stambuk (UFSC) trouxe dados inéditos e ainda não publicados sobre leveduras geneticamente modificadas para fermentação de xilose.

Completaram o quadro de palestrantes os pesquisadores Mario Murakami e Leandro Vieira dos Santos, ambos do CTBE, destacando respectivamente despolimerização de paredes celulares e o desenvolvimento de um atlas genômico da segunda geração. Murakami comanda um time focado no desenvolvimento de enzimas, enquanto Santos responde pelas principais pesquisas envolvendo leveduras.

O Workshop continua nesta quinta-feira, 30, a partir das 9h00. A programação completa pode ser consultada neste link.

Salas de transmissão ficaram lotadas durante todo o Workshop; ao todo, cinco salas tiveram transmissão

Mais aguardado evento do CTBE, Workshop on Second Generation começa dia 29

Com lotação máxima, Workshop será sediado no Auditório do CTBE e transmitido para outras cinco salas

O Workshop on Second Generation Bioethanol and Biorefining é um dos mais importantes eventos no calendário do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), um dos quatro Laboratórios que integram o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). O evento chega este ano à sétima edição com significativas mudanças e uma agenda de peso para o tema mais aquecido da bioeconomia. Todos os lugares do evento foram preenchidos nas primeiras semanas.

Marcado para acontecer entre os dias 29 e 30 de novembro, em Campinas (SP), e nessa edição, em razão do número recorde de inscritos, será realizado simultaneamente no Auditório do CTBE e em outras cinco salas no mesmo prédio, que contarão com transmissão simultânea. O Workshop também inova ao disponibilizar um app (para iOS e Android) que terá as principais informações sobre o evento, além da possibilidade de interação do público por meio de enquetes em tempo real. O aplicativo será divulgado nos próximos dias.

O Workshop é aguardado como ponto de encontro de academia, centros de pesquisa e empresas do Brasil e do exterior. O evento é uma oportunidade para discutir os últimos avanços em etanol 2G e biorrefinarias e construir uma rede entre os principais players globais.

Formato revisado

A sétima edição traz um novo formato, com maior número de palestrantes, maior abrangência temática e ênfase na aproximação entre ciência e indústria, fomentando o diálogo para avanço da inovação e da Bioeconomia.

“O evento vem evoluindo a cada edição, respondendo à dinâmica do cenário de etanol 2G e biorrefinarias. Nesta edição a mudança foi mais significativa” explica Carlos Driemeier, pesquisador do CTBE e um dos organizadores do evento. “A indústria já está produzindo etanol 2G. É um novo nível de maturidade, que requer novas pontes entre ciência e indústria”, analisa.

Os palestrantes são criteriosamente convidados e nesta edição o evento conta com representantes de países como Finlândia, Holanda e Estados Unidos, além do Brasil. “Em todas as edições o cuidado na seleção sempre é o mesmo. Buscamos reunir importantes players envolvidos na temática do evento”, explica a pesquisadora Juliana Velasco, que integra a comissão organizadora do Workshop.

Sessões temáticas e palestrantes

As sessões do dia 29 de novembro – biomassa, pré-tratamento, hidrólise e fermentação alcoólica – cobrem as etapas de produção de etanol 2G.

No dia 30 de novembro, no período da manhã, as sessões abordarão novos produtos obtidos de biomassa, em especial materiais e químicos. Na tarde do dia 30 de novembro, a sessão de biorrefinarias 2G discutirá as experiências das novas biorrefinarias e a Mesa Redonda reunirá lideranças para discutir como acelerar a bioeconomia.

O evento conta com palestrantes confirmados de empresas chaves do setor: CTC, GranBio, Valmet, Novozymes, Lallemand, Petrobras, Amyris, Solvay, Braskem, Clariant, DSM e Raízen. Nas palestras científicas, podemos destacar palestrantes internacionais como Douglas Karlen (USDA, Estados Unidos), Xiaowen Chen (NREL, Estados Unidos), Orlando Rojas (Universidade de Aalto, Finlândia) e Luuk van der Wielen (Universidade de Limerick, Irlanda e TU Delft, Holanda). A programação completa pode ser acessada aqui.

Além da forte presença de indústrias, o evento mantem ainda sua veia acadêmica. Mais de 30 trabalhos de estudantes de todo o país foram submetidos e serão apresentados, em pôsteres, no primeiro dia do evento. “É uma ótima oportunidade para que novos talentos se apresentem para um público extremamente qualificado”, analisa Juliana Velasco, da Comissão Organizadora “Nós incentivamos alunos de pós-graduação a enviarem seus resumos e se inscreverem no Workshop”, acrescenta o físico Carlos Driemeier, presidente da Comissão.

Ao longo das suas seis edições passadas – a primeira aconteceu em 2010 – o Workshop soma mais de 600 participantes, compostos de jovens promissores e de lideranças consolidadas, do Brasil e do exterior.

Suporte
CAPES e FAPESP

Patrocínio Ouro
Amyris, Raízen, CTC e Okubo Mercantil

Patrocínio Prata
LCR Científica, Biorad, Honda, Infors HT, Promac e Eppendorf

Patrocínio Bronze
Fastbio

Apoio Institucional
Ciencor, Exxtend, UDOP e IAR do Brasil

Parceiro de Conteúdo
NovaCana

CTBE leva processo de produção de etanol e de bioprodutos à SNCT em Brasília

Com equipamentos de laboratório e até Super Trunfo, CTBE irá demonstrar como as culturas agrícolas são transformadas em bioprodutos; SNCT começa dia 23

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), que integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) leva ao stand do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), os processos que estão por trás da produção de biocombustíveis (etanol de 1ª e 2ª geração) e de bioprodutos, que por sua origem vegetal, contribuem para que itens de consumo cotidiano sejam mais sustentáveis, como sacolas plásticas, produtos de higiene pessoal e cosméticos.

Antes de desembarcarem nas prateleiras ou de chegarem às bombas de combustível, os bioprodutos e biocombustíveis são biomassa: cana-de-açúcar, cana-energia, milho, soja, macaúba e outras culturas agrícolas. Essas biomassas estarão presentes no stand e a Embrapa Agroenergia apresentará o processo de produção de biodiesel.

E você deve se perguntar: o que isso tem a ver com matemática? Tudo! A matemática é tão essencial para o trabalho do Laboratório que o CTBE conta com uma divisão chamada Inteligência de Processos, onde pesquisadores se dedicam a realizar cálculos que avaliam os impactos econômicos, sociais e ambientais de todos os elementos que compõem a Bioeconomia – termo utilizado para se referir à economia sustentável e que se tornou popular na última década. E a matemática vai além da Inteligência de Processos: está presente desde a pesquisa básica até a bioinformática, essenciais no dia a dia do fazer científico.

Super Trunfo customizado traz dados sobre combustíveis fósseis e vegetais

Uma forma fácil de entender melhor como os cálculos estão presentes no cotidiano é se aventurar no jogo baseado no clássico Super Trunfo e customizado pelo CTBE. Nesse game, composto por 20 cartas, o jogador consegue ter uma visão geral sobre os combustíveis, descobrindo, por exemplo, quais são responsáveis pelas maiores emissões e, por outro lado, como o processo de produção de biocombustíveis é capaz de capturar Gás Carbônico da atmosfera. O jogador deve usar matemática (que está por trás dos cálculos que sustentam o game) e raciocínio lógico para vencer o jogo.

Para saber mais como a matemática está presente no dia a dia da Bioeconomia basta visitar o stand do MCTIC entre 23 e 29 de outubro, no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade. Todas as atividades da SNCT são gratuitas e recomendadas para todas as idades. Outras informações podem ser obtidas no endereço http://snct.mctic.gov.br.

No Workshop CTBE sobre RenovaBio, humor dos convidados indica que programa está próximo de virar realidade

120 pessoas lotaram Auditório do CTBE; modelagem econômica do programa “está praticamente pronta”, sugeriu Miguel Ivan Lacerda do MME
Erik Nardini Medina

A aprovação do RenovaBio, marco legal dos biocombustíveis no Brasil, está cada vez mais próxima de se concretizar. Os players reunidos no CTBE nesta sexta, 29, demonstraram ter incorporado aos seus modelos econômicos tudo o que foi discutido na edição anterior do Workshop CTBE, que aconteceu em agosto, versando sobre o Renovacalc.

A cada encontro promovido pelo Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) parece crescer o consenso de que o desenvolvimento de combustíveis limpos e renováveis são essenciais para o cumprimento dos compromissos firmados para com a COP21.

A cooperação entre os atores envolvidos no RenovaBio e no Combustível Brasil (iniciativa do Ministério de Minas e Energia) “precisa acontecer e está acontecendo”, como destacaram Plinio Nastari, presidente da DATAGRO, e Arlindo Moreira, que integra a Diretoria de Abastecimento da Petrobras.

Miguel Ivan Lacerda, diretor de biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia (MME) animou a plateia formada por empresários, pesquisadores e representantes das mais importantes instituições ligadas aos combustíveis no País. “Quando cheguei hoje de manhã, estava confiante da aprovação do RenovaBio no curto prazo, mas agora, no meio do evento, essa confiança aumentou muito”, revelou ao ser questionado por Gonçalo Pereira, diretor do CTBE – um dos quatro laboratórios que integram o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

Miguel Ivan Lacerda, do MME: programa está em vias de acontecer (Erik Nardini/CTBE/CNPEM)

O comentário de Lacerda foi motivado pelas apresentações realizadas por CTBE, EPE, DATAGRO, ANP, FINEP, UNICA, MAPA, CADE, Mahle e Embrapa. Cada instituição a seu modo apresentou modelagens econômicas sólidas capazes de suportar as demandas de um programa de estado do porte do RenovaBio. “A modelagem econômica do programa está praticamente pronta”, acrescentou Lacerda: “faltam pequenos ajustes”.

Precisamos trocar o ou pelo e

O engenheiro Ricardo Abreu, diretor da Mahle, explicou que a demanda por combustíveis líquidos tende a permanecer alta no longo prazo. “Ela (a demanda por combustíveis) ainda vai existir por muito tempo. A frota de veículos a combustão ainda será dominante até 2040, respondendo por 75% da frota”, demonstrou em projeções.

Os dados foram apresentados durante a explicação sobre o futuro dos elétricos e híbridos na frota brasileira. Para Abreu, essa constatação representa uma gigante oportunidade para toda a cadeia de combustíveis. “Não apenas a energia solar, ou o etanol. Mas energia solar e etanol, e biodiesel e outras. Precisamos trocar o “ou” pelo “e” o quanto antes”, defendeu.

Para Abreu, o RenovaBio tem papel decisivo na manutenção de uma frota que emita cada vez menos Gases de Efeito Estufa (GEE), seja por meio de aumento da proporção de etanol e biodiesel nos combustíveis fósseis, seja pelo desenvolvimento de motores puramente movidos a etanol aliados a motores elétricos. A solução está no uso equilibrado das matrizes energéticas.

Gonçalo Pereira, que dirige o CTBE desde novembro de 2016 e instituiu os Workshops Estratégicos em março de 2017, considera fundamental que encontros como esses continuem acontecendo. “Hoje, não há questão sobre o RenovaBio que não carregue consigo o nome do CTBE. Nós estamos envolvidos profundamente com o programa, desde a calculadora até a modelagem econômica, social e ambiental”, destacou. “Nós vamos continuar apoiando programas de estado que acreditamos, com base em fatos, serem bom para o País”.

CTBE vai continuar apoiando programas de estado, defende Pereira (Erik Nardini/CTBE/CNPEM)

As apresentações utilizadas pelos palestrantes durante o Workshop serão disponibilizadas na próxima semana, neste endereço. Os vídeos de todas as palestras também ficarão disponíveis em nosso canal no Youtube ainda em outubro.

Participação do CTBE na Fenasucro incluiu palestras e aproximação com o setor

Laboratório contou com painéis em fóruns de produtores e ampliou visibilidade do CTBE/CNPEM no coração do setor sucroenergético

O CTBE participou entre os dias 22 e 25 de agosto pela primeira vez da FENASUCRO/Agrocana, maior feira do mundo deste segmento. A participação do Laboratório se deu através de um estande, montado em parceria com a multinacional Infors HT, que levou dois equipamentos de bancada – um agitador e um fermentador de última geração – e apresentou também todo o processo de obtenção do Etanol de Segunda Geração.

Gonçalo Pereira, diretor do CTBE, em entrevista ao programa AGRO Record; assista (CTBE/CNPEM/Erik Nardini)

A participação do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol, que integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), foi decisivo para ampliar a visibilidade do CTBE e diminuir a lacuna que existe entre a ciência básica e o setor produtivo. O Laboratório foi o único, dentre uma centena de expositores, que apresentou processos inéditos e levou o que há de mais avançado em termos de ciência aplicável ao agronegócio.


Henrique J. Franco, coordenador da Divisão Agrícola em palestra durante Fórum dos Produtores da Orplana/DATAGRO (CTBE/CNPEM/Erik Nardini)

O estande do CTBE destacou toda a vanguarda do trabalho que tem sido executado por suas divisões: soluções nas áreas de mecanização, agricultura de precisão, engenharia molecular, inteligência de processos, melhores práticas industriais e fermentação. Todos os processos foram exibidos em um “aquário” de nove metros quadrados no ambiente da Arena do Conhecimento. O Laboratório apresentou ainda as últimas edições dos Boletins CTBE e a Cartilha da Bioeletricidade, produzida com base nos resultados do Projeto SUCRE.

Do ponto de vista educativo foram dois Workshops: um sobre Bioeconomia, do qual participaram coordenadores das divisões e o diretor do CTBE, Gonçalo Pereira; e um fórum internacional de produtores organizado pela Orplana e pela DATAGRO, do qual participou Henrique Junqueira Franco, coordenador da Divisão Agrícola do Laboratório.

O Workshop foi conduzido com vistas a permitir o diálogo entre a iniciativa privada e os órgãos de pesquisa com discussões que abrem caminhos para que o Brasil se torne cada vez mais um País sustentável, autossuficiente em geração de energia e exportador de tecnologia. Participar da feira é um marco na história do CTBE.

Estande do CTBE na FENASUCRO foi montado na Arena do Conhecimento (CTBE/CNPEM/Erik Nardini)

O CTBE mobilizou pesquisadores, analistas e coordenadores em uma força-tarefa que foi capaz de levar ao core do agronegócio todas as inovações realizadas pelo Laboratório. Essa importante iniciativa está alinhada com a atual missão do CTBE em disseminar conhecimento e estreitar laços com o setor sucroenergético, potencializando a ideia de que um Laboratório Nacional deve estar sempre em sintonia com os setores.

Sobre o CTBE

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O CTBE desenvolve pesquisa e inovação de nível internacional na área de biomassa voltada à produção de energia, biocombustíveis e bioprodutos. O Laboratório possui um ambiente singular no País para o escalonamento de tecnologias, visando a transferência de processos da bancada científica para o setor produtivo, no qual se destaca a Planta Piloto para Desenvolvimento de Processos.

Evento sobre E2G e biorrefinarias muda formato para aproximar ciência e indústria

Workshop on Second Generation Bioethanol and Biorefining 2017, organizado pelo CTBE/CNPEM, abre inscrições para sua 7ª edição

O Workshop on Second Generation Bioethanol and Biorefining é um dos mais importantes eventos no calendário do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), um dos quatro Laboratórios que integram o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). O evento chega este ano à sétima edição com significativas mudanças. As inscrições estão abertas de 15 de agosto a 10 de setembro e podem ser feitas por este link.

Marcado para acontecer nos dias 29 e 30 de novembro, em Campinas (SP), no Auditório do CTBE, o Workshop é aguardado como ponto de encontro de academia, centros de pesquisa e empresas do Brasil e do exterior. O evento é uma oportunidade para discutir os últimos avanços em etanol 2G e biorrefinarias e construir uma rede entre os principais players globais.

Formato revisado

A sétima edição traz um novo formato, com maior número de palestrantes, maior abrangência temática e ênfase na aproximação entre ciência e indústria, fomentando o diálogo para avanço da inovação e da Bioeconomia.

“O evento vem evoluindo a cada edição, respondendo à dinâmica do cenário de etanol 2G e biorrefinarias. Nesta edição a mudança foi mais significativa” explica Carlos Driemeier, pesquisador do CTBE e um dos organizadores do evento. “A indústria já está produzindo etanol 2G. É um novo nível de maturidade, que requer novas pontes entre ciência e indústria”, analisa.

Os palestrantes são criteriosamente convidados e nesta edição o evento conta com representantes de países como Finlândia, Holanda e Estados Unidos, além do Brasil. “Em todas as edições o cuidado na seleção sempre é o mesmo. Buscamos reunir importantes players envolvidos na temática do evento”, explica a pesquisadora Juliana Velasco, que integra a comissão organizadora do Workshop.

Sessões temáticas e palestrantes

As sessões do dia 29 de novembro – biomassa, pré-tratamento, hidrólise e fermentação alcoólica – cobrem as etapas de produção de etanol 2G.

No dia 30 de novembro, no período da manhã, as sessões abordarão novos produtos obtidos de biomassa, em especial materiais e químicos. Na tarde do dia 30 de novembro, a sessão de biorrefinarias 2G discutirá as experiências das novas biorrefinarias e a Mesa Redonda reunirá lideranças para discutir como acelerar a bioeconomia.

O evento conta com palestrantes confirmados de empresas chaves do setor: CTC, GranBio, Valmet, Novozymes, Lallemand, Petrobras, Amyris, Solvay, Braskem, Clariant, DSM e Raizen. Nas palestras científicas, podemos destacar palestrantes internacionais como Douglas Karlen (USDA, Estados Unidos), Xiaowen Chen (NREL, Estados Unidos), Orlando Rojas (Universidade de Aalto, Finlândia) e Luuk van der Wielen (Universidade de Limerick, Irlanda e TU Delft, Holanda). A programação completa pode ser acessada aqui.

Estudantes e apresentação de pôsteres

Estudantes podem apresentar o resultado de suas pesquisas na forma de pôster. O envio dos Abstracts e das demais informações deve ser feito durante o momento da inscrição. Tal qual nas edições anteriores, estudantes são isentos da taxa de inscrição. Confira as informações gerais do evento neste link.

“É uma ótima oportunidade para que novos talentos se apresentem para um público extremamente qualificado”, analisa Juliana Velasco. “Nós incentivamos alunos de pós-graduação a enviarem seus resumos e se inscreverem no Workshop”, acrescenta Driemeier.

Uma história de sucesso

Ao longo das suas seis edições passadas – a primeira aconteceu em 2010 – o Workshop soma mais de 600 participantes, compostos de jovens promissores e de lideranças consolidadas, do Brasil e do exterior. Segundo o Comitê Organizador, esta edição promete ficar marcada na história do Workshop. “Esperamos um excelente público”, adianta Juliana Velasco.

Workshop sobre Bioeletricidade discute Marco Regulatório do setor elétrico

Evento acontece dia 20 de julho no Auditório do CTBE, em Campinas (SP); inscrições são gratuitas e limitadas

Acontece no Auditório do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), dia 20 de julho a partir das 8h30, o workshop Bioeletricidade a partir da palha de cana-de-açúcar: reflexões sobre o Marco Regulatório. O portal NovaCana é o parceiro de conteúdo oficial dos Workshops do CTBE.

O evento é gratuito e destinado ao público interessado em compreender o atual cenário da bioenergia e esclarecer os principais pontos do Marco Regulatório do setor elétrico. As inscrições podem ser feitas neste link.

ACESSE A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO EVENTO

O evento irá reunir usinas do setor sucroenergético, agências de fomento, empresas, órgãos públicos e privados e formadores de políticas públicas. “Reunindo esses players conseguimos estabelecer uma sinergia entre os diversos atores para gerarmos benefícios ao sistema elétrico e ao setor sucroenergético do nosso país”, destaca Thayse Hernandes, coordenadora associada da Divisão Agrícola do CTBE e Assistente de Gestão no Projeto SUCRE.

SUCRE está à frente do Workshop

Com a mudança progressiva no setor canavieiro de um sistema de colheita pela queima para um sistema não queimado e mecanizado, a maior parte da palha resultante desse processo e mantida na superfície do solo tornou-se uma matéria-prima economicamente viável para a produção de bioenergia. Entretanto, essa biomassa também trouxe gargalos nos processos de geração e comercialização de energia nos mercados regulado e livre.

INSCREVA-SE GRATUITAMENTE

Projeto SUCRE (Sugarcane Renewable Electricity), uma iniciativa do CTBE, um dos quatro Laboratórios Nacionais do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), desenvolve, junto de usinas parceiras, soluções inovadoras para a geração de energia a partir da palha de cana-de-açúcar como complemento ao bagaço. O SUCRE é uma iniciativa financiada pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) e gerido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Temas e palestrantes confirmados

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) Gonçalo Pereira
O papel do Projeto SUCRE Manoel Regis Lima Verde Leal
A geração de eletricidade pelo setor sucroenergético (UNICA) Zilmar José de Souza
Produção de Energia Elétrica Nacional (EPE) Rachel Martins Henriques
O ambiente de comercialização do setor elétrico e a bioeletricidade (CCEE) Roberto Castro
Modelos de  distribuição do setor elétrico para a bioeletricidade (ABRADEE) Nelson Fonseca Leite
Visão do grupo Zilor sobre a Bioeletricidade Valerio A. Zaghi Kovalski
Visão do grupo Raízen sobre a Bioeletricidade Marcelo Couto
Sistema de Limpeza a Seco (CTC) Francisco Linero
Marco Legal e Regulatório – Resultados (Excelência Energética) Selma Akemi Kawana