Clipping

Produtividade da cana pode ser maior nesta safra

Afirmação do presidente executivo da UDOP, Antonio Cesar Salibe, foi divulgada pelo CTBE no Boletim do Monitoramento da Cultura de Cana-de-açúcar em SP.
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Matéria publicada por: Udop
Data de publicação: 05/05/2015

capa-monitoramento-cana

Capa do Boletim de Monitoramento de Cana.

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol – CTBE – e a Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Unicamp, divulgaram nesta terça-feira (5) o Boletim de Monitoramento da Cultura da Cana-de-açúcar no Estado de São Paulo.

O levantamento feito em abril, referente ao mês de março, traz uma discussão sobre as expectativas para o setor bioenergético neste ano. O presidente executivo da UDOP, Antonio Cesar Salibe foi entrevistado sobre o tema e disse que a palavra de ordem para esta safra é: sobrevivência. “Ainda temos um longo período de incertezas climáticas pela frente e uma expectativa de possível florescimento, o que poderia prejudicar o desenvolvimento dos canaviais em algumas regiões”, destacou Salibe.

salibe-presidente-executivo-udop

Antonio Salibe, presidente executivo da Udop.

Apesar da incerteza, ele disse que já é possível observar condições climáticas mais favoráveis em relação ao ano de 2014 e a expectativa da UDOP para a produção de cana-de-açúcar disponível para essa safra na região Centro-Sul do Brasil, é de 590 a 600 milhões de toneladas.

Na parte agrícola, mesmo com uma área menor de renovação, o que deixa nossos canaviais mais velhos e, por consequência, menos produtivos, trabalhamos com a possibilidade de uma melhora no rendimento por hectare”, afirmou o executivo da UDOP.

Desempenho da safra

Ainda de acordo com o Boletim, apesar da chuva acima da média para o mês, o índice de vegetação não acompanhou. Foi o que aconteceu nas regiões de Ribeirão Preto, Assis e Piracicaba. Os índices estão levemente abaixo da média e tudo indica que a cultura não teve capacidade de responder devido aos impactos da última seca.

As regiões de Campinas e Itapetininga estão com um desempenho ainda pior. Isso porque elas foram as mais atingidas pela seca de 2014 e com o baixo índice de renovação do canavial, a cana está com problemas no crescimento e mesmo com chuvas em quantidades satisfatória, a resposta ficou aquém do potencial.

O Boletim de Monitoramento da Cultura da Cana-de-açúcar pode ser visualizado abaixo. Para acessar e fazer o download das edições anteriores e se inscrever para recebê-lo mensalmente, via e-mail, clique aqui.