O problema do etanol não é só a Petrobras — mas a produtividade

Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

A crise no setor sucroalcooleiro virou assunto de campanha eleitoral. Depois de sete anos em que o setor permaneceu à margem dos interesses e da política industrial dos governos petistas (desde o anúncio do pré-sal, em 2007), agora, os empresários começam a ouvir um rosário de promessas de todas as esferas da República. Afinal, no tudo ou nada da política, convém aos candidatos buscar apoio dos mais necessitados. E, no campo empresarial, nem mesmo a indústria de transformação vai tão mal quanto as usinas de etanol. A derrocada tem sido atribuída pelos próprios empresários à Petrobras e, indiretamente, ao governo. Mas não é bem assim. É verdade que, depois do pré-sal, o estímulo à energia limpa que vinha sendo empreendido nos primeiros anos do governo Lula foi colocado de escanteio, abrindo espaço para uma preferência declarada por combustíveis fósseis. A situação se agravou quando o governo Dilma passou a interferir nos reajustes de preço da gasolina, tornando o preço do etanol cada vez menos competitivo. Mas, se 70% dos grupos usineiros do país estão em dificuldades, muito se deve, também, à fragilidade da gestão e a investimentos errados. Nos últimos quinze anos, o setor sucroalcooleiro assistiu a uma aceleração não só na demanda por etanol, mas também na modernização do processo produtivo. Num período curto, um segmento dominado por empresas familiares se viu obrigado a buscar profissionalização, melhorar a gestão e investir pesado em maquinário, ao mesmo tempo em que melhorava a produtividade. Com ou sem as trapalhadas do governo, poucas souberam seguir o caminho certo.

O bonde passou

Apesar de ter saído do radar do governo desde 2007, o setor começou a titubear dois anos depois, com os efeitos da crise financeira minando o crédito para empresas no Brasil e no exterior. Mesmo endividados, empresários conseguiram manter a produção até 2011 porque vinham investindo, sobretudo, no aumento da área plantada de cana-de-açúcar — mas não em produtividade ou melhoria das mudas. “As usinas começaram a se profissionalizar, mas ainda tinham muita interferência familiar. Muitas aproveitaram a euforia para investir em terra num momento de explosão do agronegócio, em que ela estava muito cara. Além disso, arrendaram terras a preços altos e, depois, não conseguiam pagar pela cana”, afirma Lars Schobinger, da consultoria Kleffman. Ao passo que faziam investimentos ousados no aumento das plantações, as usinas passaram a cortar custos e, consequentemente, a perder qualidade no manejo da lavoura. “Muitas não usam, desde então, mudas de qualidade, não planejam seus viveiros, não fazem uma gestão adequada da lavoura, não investem na infraestrutura da própria usina e prezam mais a quantidade do que a qualidade”, resume Virgílio Vicino, do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), entidade responsável por trabalhar a inovação nas mudas da planta.

Revista Veja produtividade etanol

Segundo Vicino, mudas novas têm um potencial genético 13% mais produtivo, se o manejo for adequado. O ideal é que, anualmente, 20% do canavial seja renovado para que se consiga, em cinco anos, substituir todas as mudas e avançar em produtividade. Contudo, por falta de caixa, as usinas costumam renovar apenas 10% anualmente. O resultado, segundo o CTC, é de uma perda em produtividade de 5% entre 2006 e 2013. No caso da soja, por exemplo, houve avanço de 2% no mesmo período. Para o milho, a alta é de 36% no mesmo intervalo. Mudas de melhor qualidade e mais produtivas são resultado de investimentos bilionários em inovação. E, neste caso, é preciso reconhecer que os usineiros estão em desvantagem. Enquanto os grandes produtores de grãos contam com o apoio da Embrapa e de grandes tradings como a Monsanto e a Cargill para financiar a melhoria genética, no caso da cana-de-açúcar, a inovação fica totalmente sob o respaldo dos grupos endividados.

Quem dá certo — Aqueles que aproveitaram o período de euforia para se capitalizar, em vez de acumular mais dívidas, estão em situação confortável. Os lucros auferidos diminuíram em relação ao final da última década, mas não se transformaram em prejuízo. Exemplo é o grupo São Martinho, com capital listado na bolsa, que lucrou 128 milhões de reais no ano passado. Já o grupo europeu Tereos, dono do açúcar Guarani, teve ganhos de 41 milhões de reais no período. Segundo a Kleffmann, há cerca de 30 grupos no Brasil com capacidade para atravessar a crise. Seu lucro acumulado no ano passado chegou a 700 milhões de reais. Já os grupos endividados somam quase 100: são cerca de 60 usinas que fecharam e quase 40 em recuperação judicial, de acordo com dados da GV Agro. O prejuízo acumulado pelas empresas em crise chega a 2 bilhões de reais em 2014. O grupo Aralco, de Araçatuba, no interior de São Paulo, apresentou em julho o maior pedido de recuperação judicial do setor, com dívidas no valor de 1,35 bilhão de reais com bancos e o Fisco. Segundo o plano, o que explica a crise na empresa são fatores macroeconômicos (a desvalorização cambial), climáticos (a forte estiagem), e a baixa produtividade de suas usinas. Enquanto na São Martinho, a produtividade é de 99,5 toneladas por hectare, no caso da Aralco não passa de 63,3 toneladas. “Quem aproveitou a euforia pra se capitalizar, se deu bem. Afinal, o momento de investir é na crise, não na euforia”, diz Schobinger.

Lucro usinas investimento

O fator Petrobras — Os preços da gasolina estão sendo controlados pelo governo desde 2011, com o objetivo de ajudar a conter o avanço da inflação. Com isso, abastecer com etanol ficou mais caro e, na maior parte dos estados, deixou de compensar. Só entre janeiro e maio deste ano, a relação entre o preço médio do etanol hidratado e o da gasolina ficou em 71,35%. Contudo, abastecer com o produto só vale a pena se essa relação for menor que 70%. “O setor deixou de faturar 10 bilhões de reais por causa disso na safra de 2013/2014”, afirma Elizabeth Farina, presidente da Unica, associação que representa o setor sucroalcooleiro. Por causa da falta de reajuste na gasolina, os produtores tiveram de achatar margens e não conseguiram repassar aumento de custos ao preço do produto. Por ora, o consumidor sai ganhando, pois paga menos. Contudo, há toda uma cadeia industrial que gera empregos sofrendo as consequências de uma política antimercado. “Os custos não podem ser repassados, senão a demanda desaparece. Não é uma competição com alguém mais eficiente que você. É contra subsídios”, completou o diretor técnico da entidade, Antonio de Padua Rodrigues.

Sem poder controlar a mão do governo nem repassar os custos, a reação lógica para as sucroalcooleiras seria trocar a produção do etanol pela de açúcar. Mas, não só muitas usinas têm limitações técnicas para mudar a planta, como também os preços do açúcar no mercado internacional estão em queda. “Essa, sem dúvida, é a pior crise do setor”, diz Ricardo Pinto, da RPA, consultoria de Ribeirão Preto (SP) especializada em açúcar e álcool. Segundo o especialista, trata-se de um círculo vicioso do qual, diante da atual conjuntura, é impossível sair. “Muitas usinas tomaram crédito barato, expandiram sem planejamento suas operações, estavam muito alavancadas e não conseguiram pagar. Como consequência, tiveram problemas de receita e, para piorar, não conseguiram repassar para os preços”, explica.

Ainda que a própria Petrobras pleiteie o fim do controle de preços da gasolina — afinal, o ônus é arcado por seu próprio caixa —, dificilmente o novo governo que se iniciará em 2015 conseguirá tirar todos os subsídios de uma só vez, caso assim queira. Por isso, o que o setor espera para o futuro é uma política que, pelo menos, não atrapalhe a tentativa de recuperação das usinas. Cid Caldas, coordenador geral do segmento de açúcar e etanol do Ministério da Agricultura, não ousou criticar os subsídios à gasolina, mas disse acreditar, ao menos, na retomada da produtividade a partir do ano que vem, quando termina o ciclo de adaptação da indústria à mecanização. Segundo ele, mais de 90% dos produtores do Estado de São Paulo já estão mecanizados e as lavouras avançaram no ciclo de renovação. “A partir de 2015 não teremos mais colheita manual”, afirma. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também percebeu o vácuo de inovação do setor e lançou há três meses, em parceria com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) um novo programa de incentivo. O objetivo é ajudar o desenvolvimento de projetos nas áreas industrial e agrícola. Contudo, a avaliação dos especialistas é categórica: com incentivos ou não, se não houver um planejamento de longo prazo para o setor, o etanol não sobreviverá.

*Atualizada em 26/08/2014*

A Unica, associação que representa o setor, enviou nota com algumas considerações sobre a reportagem.

A situação adversa não prejudica somente os produtores. Empresas de bens de capital voltadas para a indústria canavieira registram, desde 2010, queda de 50% no faturamento, com o corte de milhares de postos de trabalho. Municípios canavieiros estão enfrentando queda acentuada de arrecadação tributária, com forte deterioração nos segmentos de comércio e serviços.

Mesmo assim e, apesar da crise, o setor investiu pesado nos últimos três anos, totalizando mais de 6,5 bilhões de dólares na aquisição de máquinas agrícolas e em infraestrutura. Aliás, grande parte deste investimento é resultado do esforço setorial na questão ambiental. A antecipação da mecanização de 2021 para 2014, por exemplo, para atender o Protocolo Etanol Verde que estabeleceu o fim do uso do fogo na colheita da cana, obrigou todo o setor a rever seus processos de produção e os seus planos de investimentos.

Cabe ressaltar ainda que desde 2004 – quando o setor foi fortemente estimulado pelo governo federal a investir – os produtores de açúcar, etanol e bioeletricidade atenderam ao chamado do então presidente Lula e investiram mais de 30 bilhões de dólares em novos projetos e na ampliação da capacidade produtiva.