Clipping

Pesquisa cria colhedora que permite ganho de produtividade

Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Protótipo Colhedora CTBE

Com recursos de uma linha de financiamento do BNDES que tem objetivo semelhante ao PAISS, mas com condições diferentes, o Laboratório de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), com sede em Campinas (SP), desenvolve um projeto de mecanização do manejo da cana-de-açúcar com baixo impacto. O projeto, com recursos do Fundo Tecnológico (BNDES Funtec), demandou investimentos de R$ 16 milhões em sua primeira fase.

O diretor do CTBE, Carlos Alberto Labate, afirma que a máquina que está sendo desenvolvida pelo laboratório permite reduzir os níveis de compactação de solo – o que é prejudicial ao desenvolvimento da raiz da planta – e aumentar a produtividade na colheita. Normalmente, a utilização de máquinas faz com que 60% do solo fique compactado. Mas com o novo sistema, esse percentual poderia ser reduzido para 10% a 13%, afirma Labate.

A primeira versão do protótipo da máquina chamada de “estrutura de tráfego controlado” é um veículo de bitola larga, com 9 metros de largura, em vez do usual 1,5 metro, tração e direção nas quatro rodas, que trafega sobre faixas que atingem apenas 10% da superfície do solo, deixando o resto da área (90%) para o desenvolvimento da planta. O percentual de área trafegada pelas máquinas tradicionais situa-se entre 25% e 60%. O novo equipamento vai colher de quatro a seis linhas ao mesmo tempo, em vez de uma linha colhida atualmente pelas máquinas no mercado.

Com o auxílio de GPS, a máquina pode ser utilizada no plantio, fertilização e colheita da cana-de-açúcar. As colheitadeiras tradicionais realizam essa atividade com uma perda de matéria-prima de cerca de 10%, o que representa um prejuízo de cerca R$ 300 milhões anuais para as usinas, segundo o CTBE. Com o projeto de mecanização de baixo impacto do CTBE, iniciado em 2010, estima-se que essas perdas poderão ser reduzidas a 5%, uma economia de R$ 150 milhões por ano.

Todo o processo de colheita de cana-de-açúcar utilizando o novo equipamento foi realizado a partir de pesquisas de engenharia do CTBE em parceria com a empresa paulista de máquinas Jacto. No processo desenvolvido, o pé da cana é cortado pela máquina e puxado para fora do canavial. Depois, é picado e passa por ventilação para que a palha seja separada.

A tecnologia usada, uma espécie de “pente”, permite um ordenamento diferente dos colmos (talos da planta) – fazendo com que fiquem paralelos espontaneamente, o que favorece o corte menos “agressivo”, segundo Oscar Antonio Braunbeck, coordenador da Divisão de Produção de Biomassa do CTBE. Isso reduziria o impacto negativo na produtividade das lavouras, explica.

O CTBE também protocolou, em parceria com cinco empresas, projetos no PAISS Agrícola do BNDES. De acordo com o laboratório, os projetos estão relacionados à produção de biocombustíveis e à produção de compostos de química verde a partir de cana-de-açúcar.