Notícias

‘Biomassas para bioenergia’ ganham espaço durante Fórum RAC

Gonçalo Pereira, diretor do CTBE, discute potencial da segunda geração do etanol
Print this pageEmail this to someoneShare on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Erik Nardini 

“Campinas tem um papel fundamental para a energia limpa no país. O CTBE, a Unicamp e outros centros de pesquisa e empresas são essenciais para o desenvolvimento do país”. Esse foi o tom da conferência de João Carlos Meirelles, Secretário Estadual de Energias Renováveis, que abriu o segundo capítulo do “Fórum RAC: Ampliando a oferta de energia para o desenvolvimento do interior paulista”.

Meirelles apresentou dados sobre a matriz energética brasileira, destacou o papel da biomassa de cana no estado de São Paulo e defendeu o gás natural. “Não temos mais potencial hidrelétrico para o país e, por isso, são essas alternativas renováveis vão nos garantir a segurança energética que precisamos”, avalia Meirelles. “Campinas representa um gigantesco potencial para o país”, completa.

O diretor do CTBE, Gonçalo Pereira, apresentou a palestra sobre Etanol de Segunda Geração durante o painel “A Matriz Energética Baseada na Bioenergia: Necessidades e Oportunidades para Investimentos” ao lado de Marcos Landell (IAC) e Luis Cortez (Unicamp), referências no país em biomassa de cana-de-açúcar. Cortez, avançando em direção à cana-energia, fez uma comparação sobre os potenciais dessa variedade: “é como se ela [a cana-energia] fosse o pré-sal da cana”.

Gonçalo apresenta-se na Mesa de Encerramento do 2º Capítulo do Fórum RAC (Erik Nardini/CTBE/CNPEM)

Trocando em projeções, Landell acredita que “o país deve chegar em 2027 produzindo entre 9 e 15 mil litros de etanol. Chegar em 50 bilhões de litros em médio prazo é apenas uma questão de estratégia”, analisa.

“A cana-energia é a planta mais produtiva que nós temos”, comenta o Diretor do CTBE.  “Em números conservadores a cana-energia produz mais do que o dobro da cana tradicional, em todos os cenários. Ela [a cana-energia] produz mais e custa menos”, avalia ao acrescentar que podemos avançar em áreas degradadas plantadas com a nova variedade. “Não podemos aumentar o tamanho das áreas, naturalmente, mas podemos aumentar sua produtividade”.

Workshops no CTBE

Sobre a importância de energias renováveis na matriz energética nacional, o CTBE organiza no dia 20 de julho o Workshop sobre Bioeletricidade que discutirá, entre outras questões, o uso da palha da cana-de-açúcar para geração de eletricidade, contando ainda com discussões sobre o Marco Regulatório. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo link: http://pages.cnpem.br/sucre/inscricoes/.

Pereira divulgou em primeira mão que o CTBE também irá sediar, em 17 de agosto, um exclusivo workshop sobre o RenovaBio. Mais informações em breve.

O Diretor do CTBE voltou ao palco do Fórum RAC no fim da tarde para a Mesa Redonda de Encerramento: O custo comparativo da energia pelas diversas matrizes e as sugestões consequentes. Mais informações sobre o Fórum RAC no endereço: www.correio.com.br/forum_rac_2017.